fbpx

De acordo com um novo relatório da Smithers, a proteção da marca, o rastreio e outras tecnologias anti contrafação para embalagens vão ser cada vez mais procuradas, à medida que as economias de todo o mundo se adaptam a um mundo pós-COVID.

Os dados do relatório – The Future of Anti-Counterfeiting, Brand Protection & Security Packaging to 2026 – mostram que a procura por estes componentes atingirá os 3,25 mil milhões de dólares em 2021.

caixas QR© Smithers

A pandemia está a contribuir para uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) acelerada de 5,6% para 2021-2026, o que rendeu um valor total de mercado de 4,26 mil milhões de dólares em 2026.

Do ponto de vista global, o relatório argumenta que a procura de componentes antirroubo, autenticação de produtos, provas de adulteração e de rastreio continuará a crescer, mesmo na Europa e na América do Norte, que diz serem em grande parte mercados estáticos para embalagens padrão. 

Em 2020, a pandemia global e o aumento da venda por e-commerce levaram a um aumento na contrafação. Nos cosméticos e nos cuidados pessoais, por exemplo, há relatos de um aumento de 56% nos produtos contrafeitos vendidos através de canais online.

Os receios sobre a escassez de medicamentos – e agora vacinas – em muitas regiões levaram a uma maior disponibilidade de produtos contrafeitos, contra os quais os consumidores precisam de proteção. Isto está a aumentar a utilização de soluções anti contrafação e a mostrar um maior interesse em soluções de rastreio por parte dos governos.

A análise da Smithers acompanha o valor dos componentes individuais dentro destas cadeias de abastecimento em mudança e cada vez mais digitalizadas. Nos próximos cinco anos, o estudo prevê:

  • Um aumento da procura de codificação impressa (tais como códigos QR), circuitos RFID e taggants secretos utilizados em sistemas de rastreabilidade
  • A isto juntar-se-á uma utilização adicional de tintas especiais e dispositivos de imagem ótica variável difusos (DOVIDs) na autenticação do produto
  • Para características de adulteração evidentes, os componentes de crescimento mais rápido serão embalagens de blisters, invólucros de película e adesivos de alta resistência com qualidade de segurança, embora, no geral, este segmento vá crescer abaixo da média de mercado
  • O crescimento mais lento será observado nas tecnologias antirroubo, refletindo a redução da utilização do retalho físico durante o período previsto, e uma transição para tecnologias mais digitais
  • Embora os segmentos de consumo sejam um foco para os legisladores, a ameaça comercial das peças contrafeitas fará dos bens industriais – já o segundo maior segmento – a aplicação que mais cresce até 2026.

Para ser eficaz, o relatório diz que as embalagens de segurança dependerão cada vez mais da integração de novas tecnologias para otimizar a rastreabilidade e a usabilidade. O inquérito de mercado da Smithers identificou múltiplas soluções emergentes de software e hardware que considera estarem preparadas, como o blockchain, conectividade 5G e NFC, o uso mais amplo da Internet das Coisas (IoT) e identidades digitais e verificação automatizada.