fbpx

A DHL lançou a 6ª edição do Radar de Tendências Logísticas, onde reúne 40 tendências para a comunidade logística global na próxima década.

A descarbonização, os robots, o Big Data, a diversificação da cadeia de abastecimento e soluções de energia alternativas são as que terão o maior impacto na transformação da logística.

"Os acontecimentos dos últimos dois anos mostraram-nos a importância de ter cadeias de abastecimento e logística robustas. Por conseguinte, estamos a assistir a como as empresas estão a transformar a logística, que antes era uma operação tranquila e de bastidores, num ativo estratégico e um motor de valor", afirma Katja Busch, Chief Commercial Officer da DHL e Head of DHL Customer Solutions and Innovation.

Publicado a cada dois anos, o Radar de Tendências Logísticas da DHL ilustra as tendências sociais, económicas e tecnológicas mais importantes para a indústria logística, acompanhando a sua evolução. Desde 2015, mais de 70 000 visitantes reuniram-se nos Centros de Inovação DHL para trocarem experiências entre si e com especialistas da DHL.

Klaus Dohrmann, VP Head of Innovation Europe, DHL Customer Solutions & Innovation, diz: “Na edição deste ano, introduzimos novas tendências que se tornaram mais relevantes para a indústria logística, como a Computer Vision, Interactive AI, Smart Labels e DEIB (Diversidade, Equidade, Inclusão e Pertença). Sobre as muitas outras tendências identificadas na edição anterior, oferecemos mais detalhes. Por exemplo, a tendência da quinta edição, Logística Sustentável - que foi o tópico mais quente do ano passado -, está ainda mais dividida em circularidade, descarbonização, soluções de energia alternativa e outras tendências. A sustentabilidade continua definitivamente a ser um tópico top-of-mind para os nossos clientes de hoje, mas a garantia de resiliência na cadeia de abastecimento está a assumir um papel central na transformação da logística. A narrativa do status quo da cadeia de abastecimento da eficiência e excelência operacional está, agora, a ser complementada por um entendimento de que a cadeia de abastecimento é um motor essencial na criação de valor tangível".

The Logistics Trend Radar

A diversificação da cadeia de abastecimento leva à resiliência, com a visibilidade a desempenhar um papel fundamental

À medida que as catástrofes relacionadas com o clima e as interferências geopolíticas se tornam mais prevalentes, as organizações procuram diversificar as suas cadeias de abastecimento, num esforço para tornar as suas operações mais resistentes.

A parceria com múltiplos fornecedores concorrentes (multisourcing) e a seleção de fornecedores em mais ou em diferentes países ou regiões (multishoring) são algumas das estratégias que as organizações podem a adotar. A ampliação do ecossistema de fornecedores e a expansão das redes de fabrico e distribuição podem alcançar uma maior resiliência, agilidade, capacidade de resposta e competitividade. Entre as empresas inquiridas, 76% estão a planear efetuar mudanças significativas na sua base de fornecedores dentro dos próximos dois anos para garantir a resiliência da cadeia de fornecimento.

A chave para a construção de cadeias de abastecimento resilientes é ter visibilidade. Neste caso, o Big Data ajuda a analisar grandes quantidades de dados para revelar padrões anteriores, destacar mudanças em tempo real no status quo e criar previsões e prognósticos para o futuro. As organizações na vanguarda e que veem os maiores ganhos nas suas cadeias de abastecimento são aquelas capazes de analisar grandes quantidades de dados não estruturados e rapidamente acumulados, enquanto as que apenas olham para os dados transacionais essenciais estão a perder oportunidades de visibilidade.

Os ‘Digital twins’, outra tendência emergente para ajudar na visibilidade das empresas, podem reforçar os procedimentos de manutenção preditiva nas operações, reduzindo as avarias industriais em 70% e mantendo as cadeias de abastecimento em funcionamento. A visão informática - outro exemplo - permite processos mais eficientes e operações mais seguras.

A sustentabilidade ambiental no topo da agenda de todos

As novas tendências que surgiram com um impacto significativo são a descarbonização, soluções de energia alternativas, circularidade e a gestão ambiental.

Na tendência de descarbonização, o Fórum Económico Mundial descobriu recentemente que uma cadeia de abastecimento com zero emissões líquidas irá, em média, aumentar os preços em não mais de 4%. Com muitos clientes agora dispostos a pagar mais por opções mais sustentáveis, as empresas estão a investigar as várias soluções de descarbonização existentes para as suas cadeias de abastecimento. Entre os consumidores, 85% tornaram-se "mais ecológicos" no seu comportamento de compra nos últimos cinco anos, e 65% estão a fazer mudanças modestas ou totais no estilo de vida, levando as empresas a inspecionar formas de tornar os seus produtos mais ecológicos, concentrando-se frequentemente nas suas cadeias de abastecimento.

Relativamente às soluções de energia alternativas, as empresas deveriam investigar o planeamento de uma frota elétrica. Dos 755 mil milhões de dólares investidos na transição energética em 2021, 36% foram investidos no transporte elétrico.

Uma tendência que tem o potencial de mudar os modelos de negócio é a circularidade. Atualmente, apenas 8,5% do consumo total de material da sociedade é reciclado ou reutilizado. As organizações logísticas enfrentam grandes oportunidades em todos os segmentos da cadeia de abastecimento para melhorar o seu esforço de sustentabilidade com princípios de circularidade e, assim, responder às necessidades dos seus clientes.

Automatização e eficiência trazem a maior oportunidade para o aumento da produtividade

A fim de acompanhar a procura crescente dos consumidores, as empresas terão de começar a procurar tecnologias de automatização e eficiência para ajudar na produtividade. As tendências mais importantes a mencionar aqui são os robôs móveis de interior e os robôs estacionários, estendendo ainda mais a mão ao pessoal no terreno.

Os robôs móveis de interior diversificaram-se muito ao longo dos anos, com avanços tecnológicos contínuos. Estes robôs móveis de interior podem agora mover mercadorias de um ponto para o outro, ajudar na carga e descarga de contentores ou camiões e até ajudar no apoio às instalações, com limpeza e segurança. Por outro lado, os robôs estacionários podem ser estrategicamente posicionados em armazéns ou hubs para otimizar os processos. No futuro, será impossível imaginar uma logística sem processos automatizados que utilizem robôs colaborativos.

A sexta edição do Radar de Tendências Logísticas DHL, incluindo informações mais detalhadas e projetos, está disponível para download gratuito em https://www.dhl.com/global-en/home/insights-and-innovation/insights/logistics-trend-radar.html.