fbpx

O estudo 3M State of Science Index revela que se os maiores desafios do mundo precisam ser resolvidos, a ciência vai mostrar o caminho.

A imagem da ciência está em ascensão, com as soluções na ordem do dia, e as barreiras para o STEM e a desigualdade de género/raça também, esperando-se que as parcerias público/privadas resolvam os problemas que mais preocupam as pessoas.

SOSI 2020 Panel2 BiggestChallenges

Tendo em conta o COVID-19, a confiança na ciência e nos cientistas é a maior em três anos, desde o início da realização deste estudo. Atualmente, 89%* dos entrevistados confiam na ciência, 86%* confiam nos cientistas, 77% são mais propensos, como resultado da pandemia, a concordar que a ciência precisa de mais financiamento e mais da metade (54%*) concorda que a ciência é muito importante para as suas vidas diárias - um aumento de dois dígitos em relação aos dados pré-pandemia (44%*). Completando o quadro, 92% dos entrevistados acreditam que as decisões devem seguir a ciência para conter a pandemia global, revelando outra medida de confiança na ciência.

A evolução da imagem da ciência é um tema-chave que surge nos resultados do SOSI - um estudo independente realizado pela 3M para investigar e conhecer atitudes e opiniões em relação à ciência. A última pesquisa SOSI foi realizada em onze países entre julho e agosto de 2020, cerca de seis meses após o início da pandemia COVID-19.

Em 2020, o ceticismo crescente foi transformado pela primeira vez em três anos. Pessoas que afirmaram: “Eu sou cético em relação à ciência” caíram 7 pontos para 28% durante a pandemia neste verão, da sua escala de 35%* no ano passado. Da mesma forma, os entrevistados que acreditam apenas em ciências que se alinham com as suas crenças pessoais, estão seis pontos percentuais abaixo em relação a esta pergunta feita pela primeira vez em 2018.

Uma confiança renovada na ciência também parece traduzir-se em ações: mais de metade dos entrevistados (54%) concorda que a COVID-19 tornou-os mais propensos a defender a ciência, enquanto os dados pré-pandemia mostraram que apenas 20% defenderiam a ciência ao debater os seus méritos com outros.

Há um bom motivo para pressionar a defesa da ciência porque o progresso ainda não ocorreu em tudo. Quase dois terços (63%) raramente pensam sobre o impacto que a ciência tem nas suas vidas diárias - e quase um terço (32%) ainda acredita que as suas vidas "não seriam tão diferentes" se a ciência não existisse.

Soluções sustentáveis ​​permanecem críticas: ciência, sustentabilidade e justiça social

Há consequências negativas para um mundo que não valoriza a ciência, segundo 82% dos inquiridos. Quando aqueles que concordaram foram questionados sobre as principais consequências negativas, no topo da lista de preocupações está “um maior risco de problemas de saúde” (68%), o que não é surpreendente num ano dominado pela COVID-19. Mas a sustentabilidade também continua a ser uma prioridade importante, com o “impacto ambiental negativo” (67%), citado como a segunda consequência mais preocupante.

Da mesma forma, quando questionados sobre os problemas que as pessoas mais desejam resolver, encontrar uma cura para vírus emergentes (como o COVID-19) está no topo (80%), seguido por encontrar uma cura para outras doenças importantes (62%). Fora da saúde, a justiça social e o meio ambiente estão entre as maiores prioridades. Justiça social/equidade STEM (defendendo a igualdade racial na sociedade e/ou garantindo que as minorias sub-representadas tenham acesso à educação STEM) é a principal questão não relacionada com a saúde (55%), assim como abordar os efeitos das mudanças climáticas é a segunda (51%).

Mas, com quem o mundo poderá contar para resolver esses problemas com os quais as pessoas se preocupam no futuro? A próxima geração de cientistas, que deverá ser mais diversa e mais bem preparada para realmente enfrentar os desafios globais.

 Barreiras raciais e geracionais para a educação STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) ameaçam futuros avanços científicos

Como resultado da pandemia, o sentimento pró-STEM é ainda mais forte: hoje, 74% estão mais propensos a acreditar que o mundo precisa de mais pessoas a enveredar por carreiras relacionadas com o STEM para beneficiar a sociedade, enquanto 73% são mais propensos a acreditar que uma boa educação STEM é crucial para os alunos.

Infelizmente, muitas pessoas foram desencorajadas a seguir a ciência, especialmente as gerações mais jovens. Os entrevistados da Geração Z são três vezes mais propensos do que os seus colegas boomers a relatar serem desencorajados no ensino primário e secundário, a seguirem ciências (28% adultos da geração Z, 24% da geração Y, 15% da geração X e 9% dos baby boomers).

As razões para serem desencorajados revelam barreiras profundas: mais de um terço dos entrevistados desencorajados (36%) dizem que foi devido à falta de acesso a aulas de ciências na escola, 34% foram informados de que não eram inteligentes o suficiente e 27% apontam as desigualdades de género, raça e/ou etnia como o problema. Nos EUA esse problema é especialmente elevado, com 50%.

As empresas e os governos têm de trabalhar juntos para resolver os problemas que mais preocupam as pessoas

A pandemia descobriu lacunas na liderança científica em todo o mundo, mas também revelou oportunidades de fazer a diferença. A grande maioria dos entrevistados em todo o mundo acredita que os governos precisam liderar o caminho - 86% dizem que os governos deveriam envolver-se mais na contenção da disseminação do COVID-19. Da mesma forma, eles também esperam que os governos enfrentem desafios como saúde acessível (86%), segurança alimentar (86%), melhoria da qualidade do ar (85%) e poluição de plástico nos oceanos (84%).

Embora os governos sejam considerados as únicas organizações mais responsáveis, uma combinação de entidades não governamentais surgem como parceiros viáveis ​​(corporações, organizações sem fins lucrativos e cidadãos individuais) para ajudar a enfrentar desafios como a mudança climática (48% não governamentais** vs. 52% governo). Para a desigualdade racial, os entrevistados são divididos em 52% não governamentais** vs. 48% governamentais; e para o igual acesso à educação STEM para grupos minoritários sub-representados, a divisão é de 38% para não governamentais** contra 62% para o governo.

É importante ressaltar que 53% dos entrevistados acreditam que, perante os grandes desafios de 2020, as empresas devem priorizar a colaboração com governos para solucionar os desafios globais - perdendo apenas para a preparação para futuras pandemias (61%).